sexta-feira, 8 de abril de 2011

Deixo-me Viver


    Deixo-me ser mel, lentamente colhido e fugazmente acabado.  Deixo-me ser sonho, conquistando o mundo e perdendo-o ao abrir dos olhos.  Deixo-me ser beijo, que por um segundo trás calma. Deixo-me ser lágrima, que alcança a liberdade com a derrota da alma.

    Entrego-me a vida como cachoeira que escorre lenta por entre as pedras, como canto desritmado de pássaros solitários, como gota de chuva virgem e insossa que se arrebenta junto à janela. Deixo-me ser sangue, ser vento, pássaro, ou qualquer outrem que tenha liberdade de correr sem pudor.

    Quero que me faça rir, não para o meu prazer, mas para o seu. Quero trazer algo de bom, ou ao menos levar embora algo de mal que esteja fincado em ti. Quero espantar os males que te assombram, com um grito desvairado a plenos pulmões, e depois te tomar em meus braços e embalá-lo ao sono com belas canções. Quero que me mate todos os dias, e me faça acordar e renascer.

     E que as chuvas sejam traiçoeiras, e as pessoas também. Que me seja dada a benção de encontrar todos os dias motivos para lutar. Rogo aos céus, para que não caia sobre mim, o infortúnio de ter uma vida banal. Que a mediocridade se esvaia junto com todos os outros desafios vencidos. Que me seja dado um campo verde e vasto, e pernas longas para correr.

    Liberto-me de todas as amarras, e deixo-me ser como folhas secas que caem da árvore velha. E que venha o vento soprar sobre mim, daí então, deixo-me voar, e quem sabe cair.

Beijos, até a próxima.

7 comentários:

  1. Que suavidade nas palavras, amei a forma como vc descreve seus sentimentos.
    O teu texto é lindo, estamos em constante processo, de vez em quando deixamos de viver, para então aprendermos como viver.
    Amei o blog

    ResponderExcluir
  2. ótimo , se expressa muito bem , continuarei sempre de olho nosus post ...
    ja estou lhe seguindo
    http://andyantunes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Bela postagem

    http://cinemaparceirodaeducacao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Uau!

    VOcê tem desenvoltura para escrever, gostei bastante do texto, clássico e desafiador!!!

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  5. Olá flor, obrigada por visitar lá, vim retribuir e segui de volta sim, bem interessante o seu blog, espero que tenha muito sucesso com ele, beeeijos ste =)

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. quando começou o "Deixo-me ser mel, lentamente colhido e fugazmente acabado." claramente já diz sobre seus sentimentos, eu entendi que ali estava mais para a descrição de si mesma, mas como se fosse um desabafo. Apesar de eu não gostar de mel, você soube associar bem as palavras já chamando a minha atenção para o restante do texto. Você escreveu bem, e foram palavras suaves e que diziam claramente o que deveriam dizer, até mesmo nas comparações. Não teve enchimento de linguiça e também não foi algo cansativo de ser ler. Você soube prender a atenção no texto, não saiu do foco e muito menos o tornou confuso. Ali ele está para cada um entender de uma forma, no primeiro paragrafo eu entendi como uma pessoa confusa, depois no segundo me pareceu mais uma pessoa mais compreensiva, no terceiro vocÊ já expos o lado mais calmo, divertido. O quarto foi mais uma conclusão do que você estava dizendo em cima. Por fim o ultimo, que foi o mais basico e que resumiu tudo em um só: Eu posso ser diferente, posso ter diversas fazes, vivo a minha vida de acordo como tem de viver sem mudar o que sou...

    Resumindo. Eu gostei, e como sempre você sabe o que escreve. Parabéns =]

    ResponderExcluir

E ai, o que você achou?